O desafio de descansar em Deus num tempo de ativismo

Esse por acaso não é também o seu desafio? Quem não se sente um pouco culpado por não orar mais ou por não ter lido a Bíblia ao final de um dia de corre corre?

Recentemente, estive adoentada com sintomas de um estilo de vida despreocupado com a saúde. Cansaço, sonolênia, tonturas, infecções respiratórias repetidas. Todas as vezes que isso acontece, me pergunto a Deus como uma mulher cristã, que é esposa e mãe e ainda trabalha fora pode experimentar uma vida contemplativa, como Maria, sem descuidar de seus afazeres e da obra do reino. Algumas respostas Deus já me deu ao longo da caminhada. Outras ainda estou por descortinar.

Uma das coisas importantes é a disciplina. Não de forma restrita, mas ampla. Disciplina como virtude que se deve cultivar como planta medicinal para a alma. Disciplina para fazer as melhores escolhas e as mais difíceis. E depois disso, para perseverar nelas. Ouvi nesses dias que estudiosos do comportamento detectaram uma espécie de letargia, que leva os jovens a não tomarem nenhuma decisão causada, pasmem, pela variedade e quantidade de opções que se apresentam. Ou seja, hoje temos tantas opções que não conseguimos discernir entre uma e outra. A alma precisa escolher para viver. Se não fizermos as escolhas certas, ainda que tenhamos que pagar um preço por elas, estaremos sujeitos a seguir as opções que outros impuserem a nós, tornando nossa existência cada dia mais complexa e repleta de exigências físicas e emocionais.

A disciplina do ser faz bem ao corpo, equilibrando as entradas de energia com os dispêndios, pois aquilo que se come também é uma escolha ligada ao modo de vida que temos. Se prestarmos bem atenção, no meio evangélico, adotamos em nome da “comunhão”, uma rotina de comilanças desenfreadas e idas frequentes a restaurantes, que não está aquém da jactância que Paulo encontrou no meio da igreja de Corinto. Dizem até: crente não bebe, mas come. Certamente, o prazer do compartilhar o pão juntos no sentido cristão, não nos autoriza a ultrapassar os limites da moderação e do bom senso. Por outro lado, nunca foi tão necessário o exercício físico como forma de equilibrar nossos gastos energéticos e equipar nosso organismo para suportar a diversidade de tarefas que temos.

O sedentarismo tem prejudicado a qualidade do nosso corpo em dar as respostas certas para esforços simples, como abaixar-se sem correr o risco de uma lombalgia. O sedentarismo físico assemelha-se muito, ao que ocorre em nosso espírito, despreparando-nos para os embates da fé.

É bom poder refletir nisso e ver que o caminho da paz já está proposto. Resta-nos seguir. Recordo as palavras do Senhor: vê onde caíste, arrepende-te e volta às primeiras obras. Voltemos aos princípios de Deus que incluem o cultivo da disciplina como foi modelo para nós o próprio Jesus e todos os santos.

Cristo, o incomparável!

Bolo da Amizade II – Esboço

Bolo da amizade, à moda de Rute

Texto básico: Rute 1.1-18

Nomes com significados especiais:

Rute = amiga, companheira;

Orfa = dar as costas;

Noemi = alegria, meu prazer.

Como fazer amigos? Sendo amiga. Não compre qualquer coisa por aí. Prepare você mesmo a receita para cultivar boas amizades.

Bolo da amizade

Separar os ingredientes:

Lançar fora! Nunca use no seu bolo:

  • O fermento velho da Maledicência (fofoca). Ela nasce de: ociosidade; curiosidade, inveja e amargura.

Quem muito fala trai a confidência, mas quem merece confiança guarda o segredo. Pv 11.13

O difamador separa os melhores amigos. Pv.16.28b

  • A farinha mofada do preconceito. Exemplo de Rute e Noemi. Amizades só surgem entre semelhantes? Não. Em Rute reforça-se a importância dos compromissos familiares e do relacionamento intergeracional.

Tenham uma mesma atitude uns para com os outros. Não sejam orgulhosos mas estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior. Não sejam sábios aos seus próprios olhos. Rm 12.16

  • A gordura maléfica do egoísmo, egocentrismo.

Quem se isola busca interesses egoístas e se rebela contra a sensatez.

Pv 18.1

  • O leite azedo da amizade por interesse (tirar proveito do outro).

Aqueles que se mostram fazendo tanto esforço para vos agradar não agem com boas intenções, mas o seu real propósito é vos isolar a fim de que sejais constrangidos a demonstrar vosso cuidado para com eles.Gálatas 4.17

Ingredientes essenciais para uma amizade verdadeira:

  • Massa da Fidelidade. Não exite bolo sem massa. É a própria essência da amizade.Exemplo de Rute.

Que o Senhor me castigue com todo rigor, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti. Rt1.17

  • Manteiga do Autruísmo (desprendimento, abnegação) – a manteiga serve para untar o relacionamento e sem ela o bolo fica seco e duro. Interessar-se verdadeiramente pelo outro.

Aonde fores irei, onde ficares ficarei. Rt1.16

Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprios. Rm 12.10b. Exemplo: gente que fala demais não dá honra ao outro.

Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua..

Pv 31.26

  • Leite da Alegria – que dá sabor e dá umidade ao bolo pois fornece a água. Sorriso e bom humor atraem.

O olhar de amigo alegra o coração ; as boas novas fortalecem até os ossos. Pv. 15.30

  • Doce do perdão – que desfaz a amargura; não fique cobrando do outro o que ele fez ou deixou de fazer.

Aquele que perdoa uma ofensa, cobre a transgressão e demonstra amor, mas aquele que joga no rosto, separa melhores amigos. Pv 17.9

  • A clara sinceridade – que dá leveza à massa e deve ser acrescentada com delicadeza para que não se perca o ar. A repreensão sincera, deve ser feita em amor, e ao final, faz crescer a amizade.

Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro.

Pv 27.17

  • A gema da Unidade em Cristo – que dá a liga, estabiliza a massa, mistura ingredientes que sozinhos não iriam se misturar. Exemplo de Noemi. Exemplo de Paulo. A igreja é o maior exemplo de unidade entre diferentes.

O teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Rt 1. 16c

Pois é grande o desejo do meu coração de ver-vos, para compartilhar convosco algum dom espiritual, a fim de que sejais foortalecidos, quero dizer, para que eu e vós sejamos mutuamente encorajados pela fé.

Rm 1.11-12

  • A marca da Autenticidade. Amar-me como eu sou. Sem fingimento. Esforço para agradar.

O amor seja sem qualquer fingimento. Rm 12.9a

Não somos como Moisés, que se cobria com um véu sobre a face para que os filhos de Israel não observassem que o resplendor do seu rosto estava se dissipando. Mas todos nós, que com a face descoberta contemplamos, como por meio de um espelho, a glória do Senhor, conforme a sua imagem estamos sendo transformados com glória crescente, na mesma imagem que vem do Senhor, que é o Espírito.

2 Co 13.18

O bolo da amizade I (Rute 1.1-18)

A Bíblia tem muito a nos falar sobre o tema amizade. Mas escolhemos uma amizade muito especial entre sogra e nora para falar dos princípios de Deus para os relacionamentos.

Para fixar mais ainda estes princípios, buscamos ilustrar o ensino através de uma receita de bolo, tão comum no cotidiano das mulheres.

Primeiramente, há 4 ingredientes que estão sempre disponíveis, mas que estragam qualquer amizade: a maledicência, o egoísmo, a amizade por interesse e o preconceito. Vimos como a Bíblia condena cada uma dessas atitudes a partir dos efeitos nocivos que causam.

Partimos então, para a escolha dos ingredientes certos: o autruísmo, a fidelidade, a alegria, a sinceridade, o perdão e a Unidade em Cristo.

Cada um deles tem sua função e nas vidas de Rute e Noemi vemos a proeminência dessas virtudes essenciais. Queremos desfrutar de amizades verdadeiras? Sejamos tais amigos como Rute e haverá certamente quem deseje aproximar-se de nós.